quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

O Sol da Meia-Noite!

A noite traz palavras de silêncio, sussurros, murmúrios, promessas e convites inevitáveis que se desfazem com o nascer do dia que nem algodão doce na boca…


A noite ousa e pousa sobre nós o véu da sensibilidade

Dá-nos doçura…

Criatividade

Foco, concentração

Leva-nos a dançar!

A noite exalta, depura, amplia… mas a escuridão instalada pede aconchego e recolhimento!

A noite faz chorar o que o dia faz congelar.

Torna as pessoas mais bonitas!

À noite, apenas brilha o que tem luz… enquanto as sombras se densificam e ficam sinuosas.

À noite, descobrem-se caçadores e seguidores de estrelas que pedem orientação e clarividência.

As acções têm eco, têm impulso, têm força, têm purpurinas, têm volúpia...

E por isso, há gestos, conversas prolongadas, mensagens trocadas, poemas, notas soltas, livros, músicas, verdades e segredos que só se podem revelar à noite. A luz do dia crua e racional ser-lhes-ia letal.

Acredito que nos países nórdicos em que os dias e as noites são adquiridos por atacado, seja mais fácil carregar as baterias e dar ritmo ao coração, para o colocar por um longo período a trabalhar… a partilhar, vibrar, amar, pedir desculpa e perdoar.

Talvez o avulso dos dias, nos dê instabilidade… a alternância incessante entre o dia e a noite deixa-nos inquietos; não nos deixa permanecer…

Às vezes quero prolongar o dia…

Às vezes quero prolongar a noite…e nestas alturas sinto saudades de ouvir o meu Pai perguntar à minha Mãe se fazia serão… ou a combinar o que seria feito ao serão… e o serão parecia um tempo suspenso entre o jantar e a hora de dormir, que durava o tempo que se quisesse… e por isso havia tempo para conversar, para ler, ver televisão, para ouvir o que o meu Pai escrevia... Às vezes nos serões de sexta-feira, colocava-se um lençol branco na parece e até víamos slides projectados que não nos cansavam de tanto os vermos vezes sem conta.

A noite é o Inverno dos dias… que pede protecção e o calor de uma lareira…

…ainda que eu também goste das noites quentes de Verão… só é pena que já não encontre pirilampos e já não salte as fogueiras nos Santos Populares.

A noite não me deixa adormecer…

Porque a noite… destapa e desperta memórias!

2 comentários:

  1. Tantas verdades… apesar de apenas ganharem vida aos olhos de quem, como os felinos, consegue ver no escuro.

    Só assim se podem distinguir as diferentes noites. As com sol e calor são o que nos mantém vivos!

    ResponderEliminar
  2. ...Só assim se distingue quem vive o dia e a noite com eloquência...! E eu apercebi-me que tu és uma dessas pessoas!

    ResponderEliminar