sexta-feira, 8 de outubro de 2010

T Moments...

"Dear Diary... last week I finally met T for the first time in person... Well it was not the first time, but it was the first that really mean something!"

Bem, vou confessar-te… já te tinha vislumbrado antes nessa noite! Enquanto esperava pela confecção do meu temaki de salmão no Go Natural, vi-te cirandar a zona, impaciente pela espera dos teus amigos, numa sweet versionleãozinho a passear na jaula”. E depois, de tanto tempo de espera, depois da inevitabilidade daquele momento que o destino impôs, não quis que a nossa 2ª oportunidade fosse precipitada por um pstttt…T! E por isso, limitei-me a esperar, a sorrir, a observar-te, a comentar “ele já anda aí” e a reparar que estavas com uma camisa aos quadrados!!! Lembras-te da nossa conversa?! :-) Efectivamente os botões não estavam todos abotoados, nem tu tens ar de nerd! ;-)

Depois, quando nos encontrámos, quando senti a tua presença com o teu abraço, quando os meus olhos procuraram todos os pontos de focagem… concluí que na realidade, tens ar de um valente gorgeous british guy!!! :-) E porquê? Não sei bem se vou conseguir explicar… pela brancura da tua pele, pelo teu porte, pelo teu ar “polite” com uma pitada de aristocracia... uma espécie de T Dor(ian) Gray que apenas exala beleza sem ser psicopata! :-) Quando se olha de relance, adivinha-se um ser de ar rebelde e atrevido como já tinha constatado em fotos mas a surpresa foi que, olhando com atenção, descobre-se em ti um ar doce, terno, meigo e uma voz suave… que disfarça a acutilância das tuas palavras escritas. E assim, ao contrário do Jorge Palma eu encontrei uma "cara de anjo bom"! :-)

E quando finalmente “permanecemos” por alguns minutos, eu imaginei uma ampulheta gigante a demarcar o tempo de sincronização de todas as nossas conversas sem rosto, com toda a informação acumulada ao longo deste meses ou até mesmo anos! Sim T, deixaste de ser virtual… és real! ;-)

A Beleza

Desconfio da beleza como quem desconfia de vendedores de camisa amarela, colete, pasta debaixo do braço e gestos abertos.

A beleza traz pontos de avanço agarrados

É uma armadilha onde se quer cair

A beleza incita, inebria…

Enfeitiça.

Desarma.

Manipula.

Seduz.

Condena.

Prenúncio de submissão

Impõe e pressupõe rendição

A beleza apresenta-se com simetria de formas

Tem sorriso de criança e olhar penetrante

Que nos faz acreditar estarmos na presença de Anjos

que apelam à bondade e protecção

que nos fazem acreditar na inevitabilidade da felicidade

perante a sua presença e radiância…

Mas estes anjos apenas nos conduzem para labirintos

Para correntes de água subterrâneas

Terrenos áridos

E descampados ventosos

E por isso, quando vejo uma pessoa bonita

Desconfio

Recuo

Desactivo a sua beleza aos meus olhos

Procuro objectividade e verdade

E não me deixo dispersar!

Nota: Beleza é a substância que Joseph Fiennes exala no filme "Killing me Softly" enquanto aguarda no semáforo pelo sinal verde para avançar (com a sua história)!